UNIVERSO CMDV

O Stress e a Saúde Oral

O stress é uma resposta natural e necessária para a sobrevivência. No entanto, quando o stress se torna crónico, as mesmas respostas corporais que servem para salvar vidas podem deprimir o sistema imunitário, digestivo, reprodutivo e o sono, travando o seu funcionamento adequado e, assim, contribuindo para o agravamento de problemas como incapacidade de cicatrização dos tecidos, doenças cardiovasculares, hipertensão arterial, diabetes, depressão ou ansiedade. Da mesma forma, o stress influencia negativamente a nossa saúde oral e está relacionado com vários problemas que trazem constantemente os pacientes à prática clínica:

- Doença periodontal: Pacientes com níveis altos de stress são menos regulares no autocuidado de higiene oral, têm a resposta imunitária comprometida e maior dificuldade de cicatrização. Os resultados do tratamento periodontal ficam aquém do esperado. Geralmente perdem mais dentes devido à doença periodontal do que pacientes com baixos níveis de stress.

- Bruxismo: É uma das condições orais que mostra uma ligação mais directa e forte com o stresse, é caracterizado pelo apertar ou ranger dos dentes devido à contração dos músculos envolvidos na mastigação. É um hábito rítmico não funcional, espasmódico e involuntário; pode ocorrer durante o dia ou durante o sono. Entre outras consequências, o bruxismo produz desgastes dentários, fissuras, fracturas dos dentes ou das restaurações, dores musculares, cefaleias e/ou disfunções nas articulações temporomandibulares (DTM).

- DTM: São um subgrupo dos problemas dolorosos faciais. Muitos sintomas relacionados com a disfunção das articulações temporomandibulares são causados ​​por stress físico e emocional e afectam as estruturas envolventes da articulação. Essas estruturas incluem os músculos da mandíbula, rosto e pescoço, dentes, disco cartilaginoso da articulação e ligamentos, vasos sanguíneos e nervos. A dor pode irradiar até ao ouvido.

- Cárie dentária: De forma indirecta, o aparecimento de cáries aumenta quando em longos períodos de stress se negligencia os hábitos diários de higiene oral, o estilo de vida se torna menos saudável (alimentação mais rica em açúcares e sedentarismo) e o ambiente oral sofre alterações biológicas associadas à tensão tornando-se, por exemplo, menos rico em saliva.

- Lesões orais dolorosas: Como aftas e herpes labial. Este tipo de lesões pode ser despoletado pelo stress. Estudos têm mostrado que os alunos têm uma alta prevalência de aftas, mas as lesões aparecem com menos frequência durante as férias, quando os níveis de stress são mais baixos.

Uma das melhores maneiras de combater os efeitos negativos do stress é eliminar os factores que o originam. Se isso não for possível, pode contribuir para a redução da tensão recorrendo a algumas alternativas como psicoterapia, prática de exercício físico, técnicas de relaxamento, massagens ou mesmo meditação. Dependendo dos sintomas, o seu médico dentista ou higienista oral pode recomendar tratamentos específicos. Por exemplo, se sofre de bruxismo, pode ser aconselhado a dormir com uma goteira miorelaxante para proteger os seus dentes durante o sono e promover relaxamento dos músculos associados à mastigação. Para a DTM, podem ser indicados alguns ajustes dentários ou até tratamento ortodôntico, para corrigir o alinhamento dos dentes, de forma a diminuir a dor orofacial. Também é importante continuar a praticar uma boa higiene oral e manter consultas de controlo regulares para garantir uma avaliação frequente dos dentes e estruturas que possam sofrer alterações.

Drª. Damiana Fernandes
Higienista Oral
2020-10-16